Minha História

Olá. Sou Adalberto Hoepfner e gostaria de compartilhar com você um pouco de minha história de vida.

Nasci e construí minha vida aqui em Joinville. Tenho 52 anos, sou casado e tenho 04 filhos e 04 netos.

Sou formado como Técnico em Administração.
Também estudei no Seminário Peniel, onde me formei como Bacharel em Teologia, nos anos de 2000.
Atualmente estou cursando Pós Graduação em Gestão Pública.

Trabalhei na Câmara de Vereadores e Prefeitura Municipal nos anos de 2000 a 2008.

Nasci e cresci em um lar cristão e desde 1998 sirvo à igreja de Joinville após ser chamado ao presbitério, atuando também como cooperador do Conselho de Pastores de Joinville.

Minha caminhada junto às comunidades também me levou a atuar como assessor parlamentar do deputado estadual Ismael dos Santos, sendo seu representante na cidade de Joinville desde 2009.

Em 2014, vivenciei uma situação que jamais imaginei e que não desejo a ninguém.

Eram 11h40min do dia 15 de dezembro, uma segunda-feira, quando recebi um telefonema que mudou a minha vida.
Fui informado que havia ocorrido um grave acidente com minha ex-esposa e minha filha em frente ao centro de educação infantil na rua Guanabara, onde minha filha estudava.

mae-morre-atropelada-faixa-pedestre-joinville-1 mae-morre-atropelada-faixa-pedestre-joinville-2

 

 

 

 

Saiba mais nos links abaixo:
http://goo.gl/h2I6k2
http://goo.gl/93jQcs

Mesmo com o atendimento do SAMU, minha ex-esposa não resistiu aos ferimentos e faleceu no local.
Minha filha sofreu ferimentos graves nas pernas, cabeça, perfuração de um dos pulmões, hemorragia interna grave e rompimento do baço, sendo encaminhada para a UTI do Hospital Infantil.

Além da dor pela perda da ex-esposa, tive que lidar também com o medo de perder a própria filha.
O que me confortou nesses dias foi a atenção de toda a equipe médica envolvida e o apoio e muitas orações das igrejas de Joinville.

Graças a Deus, minha filha reagiu ao tratamento e sobreviveu ao acidente, mas teve que lidar com dor da perda da mãe.

menina-atropelada-recebe-alta-joinville-4

 

 

 

 

Saiba mais no link abaixo:
http://goo.gl/ArLgYN

Passando por tudo isso, senti na pele o que só ouvia falar sobre os outros.

Entendi que quando vemos as estatísticas de acidentes, não são apenas números frios, mas sim, que são vidas, filhos, famílias.
São histórias de vida que se perdem. São sonhos que morrem.

Jamais pensei que isso pudesse vir a acontecer comigo.

Com isso, me vi diante da necessidade de fazer alguma coisa. Não queria que outras famílias tivessem que passar pelo que eu estava passando.
Não queria que outros maridos e pais experimentassem o que eu tinha experimentando.

Entendi que minha indignação e revolta precisavam ser direcionadas para algo prático que de alguma maneira evitasse aos outros tudo de ruim que tinha acontecido em meu redor.

No início, eu não tinha bem certo como poderia fazer alguma coisa. Às vezes, parecia até impossível que algo pudesse ser feito.
Por onde começar? O que fazer?

Nesse período, passei a conversar com outras pessoas que também tinham passado por situações semelhantes às que eu passei. Conheci mães que perderam filhos, pais que até hoje não se recuperaram da perda de suas filhas, esposas que perderam seus maridos de maneira violenta.

Quanto mais me envolvia, mais eu fui descobrindo a quantidade de famílias que já havia sofrido alguma perda no trânsito.
Em cada lugar que eu ia, passei a observar como as pessoas comentavam sobre a condição precária da segurança do trânsito de Joinville.

Por conta disso, me envolvi em trabalhos voluntários ligados ao trânsito, como uma maneira de auxiliar outras famílias que também passavam por perdas no trânsito.

voluntario-adalberto-entrevista

 

 

 

 

 

 

 

Saiba mais no link abaixo:
http://goo.gl/3Hjm9J

Ao participar da primeira Caminhada em Memória às Vítimas de Trânsito em novembro de 2015, mais uma vez lembrei que não são apenas números. São vidas. São famílias.

caminhada-memoria-vitimas-de-transito-joinville-1   caminhada-memoria-vitimas-de-transito-joinville-2

 

 

 

 

 

 

 

Todo esse envolvimento fez aumentar em mim a convicção de que eu precisava e podia fazer algo a mais pela segurança e humanização no trânsito de Joinville.

Com isso, comecei de maneira informal a buscar melhorias e conscientização sobre os problemas do trânsito. Passei a estudar e buscar entender os problemas do trânsito de Joinville, acompanhando os casos de acidente e os problemas relatados pelas pessoas que me procuravam buscando orientação e ajuda.

Fui pesquisar a realidade do trânsito em outras cidades do Brasil e de outros países do mundo, para entender que melhorias poderiam ser aplicadas em nossa cidade.

Isso me levou a criar o Movimento #ComFePelaVida, para apoiar causas que tragam melhoria na segurança do trânsito, defender o interesse do cidadão que faz das ruas seu objeto de trabalho e lutar pelos que não conhecem as leis que garantem seus direitos como cidadão.

Para tornar isso prático, criei este site, como um canal de comunicação.

Meu convite é para que você se engaje nesta causa, colaborando com ideias, sugestões, tanto de problemas que você encontra quanto de boas práticas que podem e devem ser buscadas para o trânsito joinvilense.

Agradeço por ter conhecido minha história de vida e de luta por nossa cidade.
Adalberto Hoepfner

Vamos Juntos #ComFePelaVida


Me acompanhe nas redes sociais
Assine YouTube: https://www.youtube.com/user/adalbertpb
Curta no Facebook: https://pt-br.facebook.com/falecomadalberto
Siga no Tweeter: https://twitter.com/adalbertopb
Siga no Instagram: https://instagram.com/adalbertohoepfner